Direitos da educação

Postado em

 
 

A primeira etapa na busca pelo direito à educação foi vencida com o reconhecimento constitucional de que este é um direito fundamental do cidadão e que cabe aos Estado suprir. A segunda etapa é conseguir fazer isto valer no cotidiano das crianças, adolescentes, jovens e adultos que frequentam as escolas.

 

No caso de desrespeito a qualquer de seus direitos, você pode acionar a autoridade competente através de uma petição. Abaixo você encontra listados órgãos e instituições que podem contribuir para a resolução de problemas na área da Educação: 

 
 

Diretor(a) da Escola:

 

 

 

Toda escola obrigatoriamente tem um diretor, que é o profissional responsável pela sua administração e funcionamento, respondendo inclusive na justiça por ela. O diretor de escola pública não é dono, ele é um empregado do Estado, e por isso deve obedecer às suas leis e defender os direitos e interesses das crianças e adolescentes.  Para encaminhar uma queixa ou solicitação é preciso saber o nome do Diretor e escrever uma carta endereçada a ele, se possível envie também uma cópia à Coordenadoria ou Diretoria Regional de Educação e ao Secretário Municipal ou Estadual da Educação.

 

Coordenadorias de Educação (Escolas Municipais):  

 

 

 

É o órgão que faz a ligação entre as escolas e as diretrizes estabelecidas pela Secretaria Municipal de Educação. Às coordenadorias cabe a realização dos projetos e atividades da secretaria, além de gerenciarem os recursos humanos e financeiros das escolas.

  Diretoria Regionais de Ensino (Escolas Estaduais):  

 

 

É o órgão que faz a ponte entre as escolas e as determinações da Secretaria Estadual de Educação. As Diretorias Regionais (antigamente chamadas de Delegacias de Ensino) coordenam e supervisionam as atividades realizadas nas escolas, asseguram que os serviços de assistência ao aluno estão funcionando, e tratam de assuntos relacionados aos professores (habilitação, transferência, etc.).

 

Secretaria de Educação:

 

 

 

A Secretaria de Educação é o órgão diretamente ligado ao poder executivo (prefeitura ou governo do estado) que tem como função aplicar o plano (municipal ou estadual) de educação, cumprir as leis relativas à educação (Constituição Federal, Estatuto da Criança e do Adolescente e Lei de Diretrizes e Bases da Educação), e garantir que o sistema educacional funcione de maneira eficiente, trabalhando sempre que possível para melhorá-lo.

 

Conselhos Tutelares:

 

 

 

O Conselho Tutelar é o órgão responsável em fiscalizar se os direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estão sendo cumpridos, e em casos de omissão por parte do Poder Público tem o poder de determinar que o atendimento seja feito.

 

 

Saiba + sobre os Conselhos Tutelares

 

 

Ouvidorias:

 

 

 

Têm a função de ouvir os usuários, apurando as denúncias e apresentando soluções em relação ao problema apontado.

 

Ministério Público: 

É o órgão que atua na proteção e na defesa dos direitos e interesses da sociedade, como é o caso da educação. Quando recebe informações sobre casos de desrespeito aos direitos sociais, o Ministério Público (MP) pode instaurar um procedimento (inquérito civil) para ouvir quem eventualmente causou o dano e levantar provas. Quando tiver evidências de uma conduta prejudicial a um ou mais cidadãos, o MP pode fazer um termo de ajustamento de conduta (um acordo) ou mesmo ingressar com ação na Justiça.

As denúncias são encaminhadas ao Ministério Público por meio de uma representação, que é um documento escrito que conta o problema e solicita providências. Você também pode ir pessoalmente ao Ministério Público, onde haverá alguém para tomar seu depoimento.

 

Poder Judiciário (Varas da infância e da juventude):

 

 

 A Constituição Federal garante que toda lesão ou ameaça de direito seja avaliada pelo Poder Judiciário. Basta que o interessado procure a Justiça. Desde que preenchidas as formalidades exigidas, você sempre poderá levar o problema a um Juiz de Direito. O acesso à Justiça se dá por meio de um documento denominado petição inicial, que deve sempre ser elaborada e assinada por um advogado (a não ser em casos encaminhados ao Juizado Especial Cível). A partir daí, o Juiz analisará o pedido do autor da ação, a resposta do réu, as provas apresentadas, e decidirá a questão. Aquele que perder poderá recorrer aos Tribunais na tentativa de mudar a decisão do Juiz.

O Poder Judiciário pode ser acionado para que os responsáveis (as autoridades municipais, estaduais ou federais), sejam obrigados a corrigir as falhas ou a omissão na prestação dos serviços de educação. Também é possível recorrer à Justiça  para buscar a indenização ou reparação de danos de qualquer natureza sofridos em razão da falta de atendimento ou do atendimento de má qualidade.

Os cidadãos podem ingressar na Justiça individualmente, contratando um advogado particular, ou  recorrendo à assistência judiciária gratuita. O Ministério Público também pode representar o cidadão judicialmente, o que pode ser feito ainda por meio de uma associação ou entidade com legitimidade para propor ações judiciais e que tenha entre as suas finalidades, descritas no seu estatuto, a defesa da educação ou da cidadania.

 

 

 

Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente: 

 

 

Os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente recebem denúncias de violência, abusos e desrespeito aos direitos da criança e do adolescente, além de formular políticas de atendimento à criança e ao adolescente. Metade de seus membros são representantes da sociedade civil e a outra metade composta por membros do poder público.
 

 

Veja os endereços dos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente da cidade de São Paulo e da Região do ABC.

 

 

 

 

Defesa dos Direitos Humanos:

 

 

Existem diversas instâncias, como as comissões de direitos humanos ligadas ao poder Legislativo (Câmara dos Deputados, Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais) e as secretarias e conselhos de direitos humanos ligados ao poder Executivo. Elas recebem, investigam e apuram denúncias de violação dos direitos humanos. Você pode procurar uma destas instâncias se for vítima ou presenciar qualquer violação dos direitos civis e de cidadania, preconceito, discriminação, maus tratos, abandonos e todas as formas de violências e atentados contra a dignidade humana que possam vir a ocorrer contra crianças e adolescentes.

 

Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados
Palácio do Congresso Nacional - Edifício Principal / Praça dos Três Poderes
Cep 70160-900 - Brasília - DF
(61) 318-5151 e 318-5930
cdh@camara.gov.br Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
www.camara.gov.br/cdh

Secretaria Especial dos Direitos Humanos – Ministério da Justiça
Edifício Sede, Esplanada dos Ministérios – Bloco T – Sala 422
Cep: 70064-900 - Brasília/DF
(61) 429-3142 / 223-2260
www.sedh.gov.br
direitoshumanos@sedh.gov.br Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

Comentários


  • Você pode ser o primeiro a comentar



Envie seu comentário

Nada contra o verso

Publicidade

dentidade Visual Gigliotti Transportes - (Nen Pedilar Home Care Construsite Brasil Segtruck Grupo de Whatsapp